Regulamento

Regulamento do Concurso SPR-AIRP2017

 

Parte 1 – Regras Gerais

 
  • O Concurso SPR-AIRP premia anualmente seis pessoas com benefícios para participação no Curso de Quatro Semanas (Four-Week Course) do American Institute for Radiologic Pathology (AIRP), em Maryland, Estados Unidos. Os prêmios concedidos são: 1º e 2º lugares: passagem e inscrição custeadas pela SPR; 3º lugar: inscrição oferecida pelo AIRP; 4º aos 6º lugares: 50% de desconto na inscrição do curso, benefício oferecido pelo AIRP.
  • As inscrições no Concurso SPR-AIRP 2017 começam no dia 8 de maio e terminam no dia 30 de junho de 2017.
  • Residentes e especializandos (as) em Diagnóstico por Imagem de todo o País podem participar do Concurso SPR-AIRP, desde que atendam alguns requisitos:
  • Ter participado da Jornada Paulista de Radiologia do ano corrente, com presença em sala registrada;
  • Ser membro da SPR;
  • Estar em atividade na residência médica ou estágio em radiodiagnóstico;
  • Apresentar um ofício em que um docente ou responsável pelo serviço assegure conhecer o caso inscrito no Concurso e autorize a doação do material à SPR e ao AIRP;
  • Estar inscrito no Curso de Atualização em Imagem (Prof. Dr. Feres Secaf), a ser realizado de 28 a 30 de julho de 2017 no Maksoud Plaza Hotel, em São Paulo.
 
  • Para concorrer, o(a) residente ou especializando(a) deve preparar um caso clínico/cirúrgico com comprovação anatomopatológica e que ilustre a correlação imagem-achados patológicos de modo adequado. O material deve ser preparado em três formatos: I e II para avaliação da comissão científica da SPR, e III para publicação no Jornal da Imagem. As regras para elaboração dos casos nesses formatos estão descritas na parte 2 deste regulamento.
 
  • Cada caso deve ser inscrito no Concurso SPR-AIRP por um (1) autor responsável, que ao fazer isso passa a ser o concorrente com o referido caso. Havendo mais de um colaborador responsável pela preparação do caso, os envolvidos devem decidir previamente quem será o concorrente com o referido material.
 
  • Conforme mencionado acima, o(a) autor(a) deve enviar junto com o trabalho um ofício em papel timbrado no qual um docente ou responsável pelo serviço assegure conhecer o caso inscrito no concurso e autorize a doação do material à SPR e ao AIRP. Com isso, os direitos autorais sobre o caso serão cedidos à SPR para que o material seja publicado no site da SPR e no Jornal da Imagem, e ao AIRP para que a entidade disponibilize o material em seu banco de dados. Ressaltamos, porém, que se o autor desejar publicar o caso em outra publicação científica, não há restrições em relação a isso por parte da SPR e do AIRP.
  Apresentamos a seguir uma sugestão de modelo para o ofício acima citado:   Eu, (nome do docente ou responsável), (cargo do docente ou responsável), do(a) (nome da instituição), asseguro conhecer o caso (nome do caso), que está sendo inscrito pelo(a) residente (nome do autor do caso), no Concurso SPR-AIRP 2017, e autorizo desde já a doação do material à SPR para publicação. Também autorizo a doação do material ao AIRP, caso este seja eleito o trabalho vencedor.  
  • O caso finalizado deve ser endereçado à “SPR - Concurso SPR-AIRP 2017”, Av. Paulista, 491, cj. 31, CEP 01311–000, São Paulo, SP. O prazo final de envio é 30 de junho (data de postagem no correio). Outra opção, é entregar pessoalmente, na sede da SPR, até a data mencionada acima.
 
  • No início de julho, a Comissão Científica do Concurso SPR-AIRP avaliará os casos recebidos e selecionará os seis autores dos melhores trabalhos. Os selecionados deverão fazer a apresentação oral do caso escolhido pela Comissão Científica do Concurso SPR-AIRP. A apresentação será durante o Curso Feres Secaf, no dia 29 de julho, sábado à tarde – a parte oral em português, e a parte escrita (slides) em inglês.
 
  • No momento dessa apresentação, a Comissão Científica do Concurso SPR-AIRP e um representante do AIRP assistirão às apresentações e realizarão a avaliação final do Concurso, classificando os selecionados de 1º a 6º lugar. No fim da sessão, será anunciada a ordem de classificação dos ganhadores do Concurso SPR-AIRP 2017, começando pelo sexto lugar, e terminando com o primeiro lugar.
 

Parte 2 – Regras para preparação dos casos

 
  • Instruções gerais para todos os formatos
 
  • Somente o nome do autor principal deve constar nos formatos I e II. No formato III pode-se incluir o nome de outros colaboradores e responsáveis, se houver essa necessidade.
 
  • Nos formatos I e II é proibido citar o nome da instituição, do local de pesquisa (centro, serviço, departamento, residência), do médico solicitante dos exames e de qualquer outro profissional envolvido na preparação do material. O autor que fizer isso ficará sujeito à desclassificação. No formato III deve-se incluir o nome da instituição e de outros colaboradores.
 
  • É proibida a identificação de pacientes em qualquer um dos três formatos do material enviado, seja em imagens, exames, textos, etc., ficando o autor que fizer isso sujeito à desclassificação.
 
  • Erros de português e má organização do texto prejudicarão a avaliação do trabalho, que pode até ser desclassificado se os erros forem básicos.
 
  • Instruções sobre a preparação do material no Formato I – Texto
  Parte aTexto em português, em documento Word, que deve ser entregue impresso, descrevendo:
  1. História clínica simplificada com sinais e sintomas pertinentes, história pregressa do(a) paciente de relevância para o caso atual, dados do paciente como idade, sexo, cor e etnia, achados laboratoriais importantes.
  2. Hipóteses diagnósticas levantadas e como os achados dos métodos de imagem foram relevantes para o direcionamento diagnóstico e do tratamento.
III. Relato do caso clínico: Descrever dados da doença e tratamento; relatar se houve procedimentos intervencionistas - diagnósticos e/ou terapêuticos - tais como biópsia(s), cirurgia(s) e seus tipos, por exemplo: toracotomia, laparoscopia, retirada total/parcial da lesão.
  1. Diagnósticos diferenciais e correlação dos achados de imagem para os mesmos.
  2. Desfecho do caso e diagnóstico anatomopatológico definitivo: Citar evolução do(a) paciente após o tratamento.
  3. Leitura sugerida ou Referências Bibliográficas: os autores deverão apresentar referência bibliográfica de ao menos três artigos.
  Parte b – Imagens:
  • Devem ser inseridas no texto imagens ilustrativas do caso, com setas e legendas, demonstrando a correlação radiologia/patologia (radiografias, imagens de TC, US, RM, MN, PET, angiografias etc.). A falta de setas e legendas implica em prejuízo na avaliação do caso por parte da Comissão Julgadora.
  • Nas legendas das imagens incluir descrição do(s) achado(s) e do método de imagem empregado. Exemplo: Imagem de TC, coronal, fase sem contraste, fase arterial, portal, etc. ou imagem por RM (IRM), ponderada em T1 FSE sem/com contraste, T2 FSE, STIR etc. demonstrando massa heterogênea em glândula supra-renal direita e deslocamento inferior do rim deste lado.
  • Inserir no texto imagens ilustrativas da macroscopia e/ou microscopia, tais como: fotografia do espécime; fotografia da endoscopia/laparoscopia etc.; fotografia intraoperatória ou fotografia da necropsia. Essas imagens devem conter setas e legendas com descrição sucinta.
  Materiais da anatomia patológica, como imagens da lâmina ou blocos de parafina, também podem ser adicionados ao trabalho.  
  • Instruções sobre a preparação do material no Formato II – Apresentação do trabalho em slides
 
  • O autor deve preparar uma versão do caso clínico em Powerpoint, com texto objetivo, didático e organizado, em português ou inglês. Este material deverá ser entregue em formato digital (CD ou pen drive) e impresso. Recomenda-se que o trabalho tenha no máximo 30 slides.
  • Assim como no formato I, no Powerpoint devem ser inseridas imagens ilustrativas do caso, com setas e legendas, demonstrando a correlação radiologia/patologia (radiografias, imagens de TC, US, RM, MN, PET, angiografias etc.). Nas legendas dessas imagens deve haver descrição do achado e do método de imagem empregado, exemplo: Imagem de TC, coronal, fase sem contraste, fase arterial, portal, etc. ou imagem por RM ponderada em T1 FSE sem/com contraste, T2 FSE, STIR etc. demonstrando massa heterogênea em glândula supra-renal direita e deslocamento inferior do rim deste lado.
  • Também devem ser inseridas imagens ilustrativas da macroscopia e/ou microscopia, tais como: fotografia do espécime; fotografia da endoscopia/laparoscopia etc.; fotografia intraoperatória ou fotografia da necropsia. Essas imagens igualmente devem conter setas e legendas com descrição sucinta.
  Materiais da anatomia patológica, como imagens da lâmina ou blocos de parafina, também podem ser adicionados ao trabalho.  
  • Instruções sobre a preparação do material no Formato IIITexto para publicação no Jornal da Imagem
  Parte a – Texto: O arquivo deve ser enviado em Word, em português, contendo:
  1. Título: deve ser sucinto, conter o diagnóstico e eventualmente algum achado ou manifestação relevante, para o qual os autores desejem chamar a atenção dos leitores.
  2. Nome(s) do(s) autor(es): são permitidos até cinco autores(as). Como esse material é para publicação, fase posterior à seleção, não será avaliado no primeiro momento. Pode-se aqui citar o serviço ou instituição de origem do caso clínico.
III. História clínica: com descrição sumária dos dados mais relevantes da história do(a) paciente. Não citar nome ou iniciais do(a) paciente. Tamanho: de 300 a 600 caracteres (a contagem de caracteres em editor de texto considera os espaços).
  1. Diagnóstico final: apenas citar diagnóstico, sem descrição.
  2. Discussão: Breve discussão dos achados de imagem do caso clínico/cirúrgico apresentado, além da correlação com dados de literatura, clínica e de imagem pertinentes ao estudo. Os autores devem descrever e discutir os aspectos mais relevantes para o diagnóstico e se os mesmos impactam a evolução do paciente. Pode-se mencionar algum método de imagem emergente que porventura não tenha sido empregado no cuidado com o paciente em questão. No último parágrafo pode-se discutir os padrões anatomopatológicos, quando for o caso, e resumo do tratamento e prognóstico.
  3. Leitura Sugerida ou Referências Bibliográficas: os autores deverão apresentar referência bibliográfica de ao menos três artigos.
VII. Tamanho total do documento: de 3.000 a 3.300 caracteres, incluindo Referências Bibliográficas (a contagem de caracteres em editor de texto considera os espaços).   Parte b – Imagens e Legendas:
  • As imagens devem ser enviadas em formato JPG, com no mínimo 300 dpi de resolução, e pelo menos 1024 pixels de largura (ou 8,67cm) e 768 pixels de largura (ou 6,5 cm). A combinação "medida" e "resolução" precisa estar dentro desses parâmetros para que a imagem seja aceita e publicada.
  • Quantidade de imagens: de 4 a 5 imagens no máximo (não serão aceitas imagens duplas). Os arquivos devem estar claramente denominados: Figura 1, Figura 2, Figura 3,
  • Em um segundo arquivo de texto, as legendas das imagens devem estar escritas de forma que possam ser facilmente relacionadas às figuras. A descrição das legendas deverá ser breve e evitar repetir a descrição do texto. Tamanho das legendas: de 100 a 150 caracteres por legenda.
  Por fim, informamos que os casos publicados no Caderno 2 do Jornal da Imagem serão simultaneamente publicados no aplicativo do Jornal. Sendo assim, para esse fim, os autores podem enviar imagens adicionais ou filmes, acompanhados de legendas, que ilustrem melhor o caso.
 
Apoio
logo_bayer
WordPress Image Lightbox